LIÇÕES DO MAIS LONGO ESTUDO SOBRE FELICIDADE

Por EDSON LIMA


Robert Waldinger | Foto: Arquivo pessoal/BBC


O que nos mantêm felizes e saudáveis ao longo da vida? Se você pensa que é fama e dinheiro, você não está sozinho. Numa recente pesquisa com a Geração Y sobre os objetivos mais importantes na vida, mais de 80% disseram que seu maior objetivo de vida era ficar rico e 50% disseram que o outro grande objetivo de vida era ficar famoso.

Mas de acordo com o psiquiatra Robert Waldinger, quem pensa assim está equivocado. Como diretor de um estudo de 75 anos sobre desenvolvimento de adultos, Waldinger tem acesso sem precedentes a dados sobre a verdadeira felicidade e satisfação. Recentemente, numa palestra da TED, ele contou algumas das mais surpreendentes descobertas ao longo de todos esses anos, e compartilha três importantes lições aprendidas com o estudo.

O estudo teve início em 1938 na Universidade de Harvard e, possivelmente, é o mais longo sobre a vida adulta que já foi feito. Durante 75 anos, foram acompanhadas as vidas de 724 homens, ano após ano, perguntando sobre seus trabalhos, vidas domésticas, saúde, sem saber como as histórias de suas vidas seriam. Aproximadamente 60 destes homens ainda estão vivos, e participam do estudo, a maioria deles na casa dos 90 anos. Recentemente começou a ser estudados os mais de 2 mil filhos desses homens.

O estudo acompanhou a vida de dois grupos de homens. O primeiro, de estudantes do segundo ano da Universidade de Harvard. Todos terminaram a faculdade durante a Segunda Guerra Mundial. A maioria serviu na guerra. O segundo, de garotos dos bairros mais pobres de Boston, escolhidos especialmente porque eram de algumas das famílias mais problemáticas e desfavorecidas na Boston da década de 30. A maioria vivia em prédios populares, muitos sem água corrente, fria e quente. Quando entraram no estudo, todos foram visitados em suas casas e entrevistados, inclusive seus pais e fizeram exames médicos. Esses adolescentes se tornaram adultos e seguiram diversos caminhos na vida. Tornaram-se operários, advogados, pedreiros e médicos. Um deles tornou-se Presidente dos Estados Unidos. Alguns desenvolveram alcoolismo. Uns poucos sofreram de esquizofrenia. Alguns ascenderam socialmente do fundo até o topo e alguns fizeram essa jornada na direção oposta. A cada dois anos, cada um do grupo é contatado.

"Para ter uma ideia melhor da vida destes homens nós não apenas enviamos questionários. Nós os entrevistamos em suas salas de estar. Pegamos suas informações médicas com seus médicos. Nós tiramos seu sangue, escaneamos seus cérebros, falamos com seus filhos, os filmamos conversando com suas esposas sobre suas maiores preocupações", diz Waldinger.


"A mensagem mais clara do estudo de 75 anos é: bons relacionamentos nos mantêm mais felizes e saudáveis." - Robert Waldinger

Quando os pesquisadores analisaram, cuidadosamente, pessoas e casais, eles descobriram que o que mais influenciava a saúde e o bem-estar era o relacionamento com os amigos e, principalmente, com os cônjuges.

As Três Grandes Lições do Estudo

A primeira lição é que as pessoas que estão mais conectadas socialmente com a família, amigos e comunidade, são mais felizes, fisicamente mais saudáveis e vivem mais do que as pessoas que têm poucas conexões. A experiência de solidão é tóxica e mata. Pessoas que são mais isoladas do que gostariam descobrem que são menos felizes, sua saúde decai precocemente na meia idade, seu cérebro se deteriora mais cedo e vivem vidas mais curtas do que aqueles que não são solitários.

Sabemos que alguém pode sentir-se só numa multidão ou solitário num casamento. Então a segunda grande lição é que não é apenas o número de amigos que você tem, ou se você está ou não num relacionamento sério, mas a qualidade dos seus relacionamentos mais próximos é o que importa. Acontece que viver no meio de conflitos é ruim para a nossa saúde. E viver em meio a relações boas e reconfortantes nos protege. Não os níveis de colesterol de meia idade que previram como os homens de pesquisa iriam envelhecer. Mas o quão satisfeitos estavam em seus relacionamentos. Os homens e mulheres mais felizes em uma relação relataram, aos 80 anos, que nos dias que tinham mais dor física, seu humor continuava ótimo. Mas as pessoas que estavam em relacionamentos infelizes, nos dias que tinham mais dor física ela era intensificada pela dor emocional.

A terceira grande lição que aprendemos sobre relacionamentos e nossa saúde é que relações saudáveis protegem não apenas nossos corpos, mas também nossos cérebros. Ocorre que estar em um relacionamento íntimo e estável com outra pessoa aos 80 anos é algo protetor, que as pessoas que estão em relacionamentos nos quais sentem que podem contar com outra pessoa em caso de necessidade têm suas memórias preservadas por mais tempo. E pessoas em relacionamentos nos quais sentem que realmente não podem contar com a outra, são as que acabam tendo declínio de memória mais cedo. E esses relacionamentos bons não têm que ser tranquilos o tempo todo.

Esta mensagem de que relações próximas e saudáveis são boas para saúde e bem-estar é uma sabedoria antiga. Por que é tão difícil de assimilá-la e tão fácil de ignorá-la? Bem, somos humanos. O que realmente buscamos é uma solução rápida, algo que tornasse nossas vidas boas e as mantivessem assim. Relacionamentos são confusos e complicados e o trabalho duro de zelar pela família e amigos não é sexy ou glamouroso. É também para a vida inteira. Nunca cessa. As pessoas no estudo de 75 anos que eram as mais felizes após aposentadas foram as que batalharam para substituir colegas de trabalho por companheiros.

E você? Digamos que esteja com 25, 40 ou 60 anos. Que tal buscar o que os relacionamentos têm a oferecer? Bem, as possibilidades são praticamente infinitas. Pode ser algo tão simples quanto trocar o tempo vendo TV por tempo com pessoas ou reviver uma relação antiga fazendo algo novo juntos, longas caminhadas ou encontros à noite. Ou contatar aquele membro da família com quem você não fala há anos porque aquelas brigas de família tão comuns deixam marcas terríveis nas pessoas que guardam rancor.


Baseado na transcrição do TED disponível em inglês:

https://www.ted.com/talks/robert_waldinger_what_makes_a_good_life_lessons_from_the_longest_study_on_happiness?language=pt-br

108 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Sobre a Brascoaching

Nossos Cursos

Materiais Gratuitos

Endereço:

Av. Tancredo Neves, 620, Cond. Mundo Plaza Empresarial, sala 723 - Caminho das Árvores - CEP: 41.820-020 – Salvador/BA 

Redes Sociais:

Telefones:

Whatsapp:

Desenvolvido por: Udoing Marketing